No centenário de João dos Santos: como se cria um mestre*

SergioNiza MEDIUMSérgio Niza
Psicopedagogo, Professor Universitário
Julho de 2013*

Não há mestres sem que os discípulos os tenham instituído e nomeado. Ser mestre depende da emergência de um discípulo que o idealize, identifique e mantenha como seu mestre.

Oferecer-se como mestre não satisfaz a condição de ser aceite como tal. Essa surpreendente dádiva do discípulo que declara o mestre e reconhecendo-o o cria, acontece porque o cria para si.

Tal acontecimento não decorre de uma certificação institucional. Os mestres não se formam em instituições concebidas para o efeito. O seu estatuto não decorre do exercício técnico de uma profissão especialmente certificada como a de professor, médico ou psicólogo. O seu poder advém-lhe do outro e depende de condições particulares de relacionamento e intermediação. No dizer de António Nóvoa podemos apresentar-nos como professores, ou universitários, ou cientistas. Mas mestre é qualidade que apenas os outros nos podem atribuir.

Se é pela determinação de quem se torna discípulo que o mestre acontece, é pela generosa solicitude do mestre que esse encontro se pode tornar libertador.

João dos Santos, ao situar a origem dessa atribuição na natureza especial do encontro, evoca as condições de disponibilidade e de intersubjetividade que se impõem:

(…) mestres são os que acreditam no valor da relação humana, no florescer das ideias que são mito, e que sabem viver na floresta do conhecimento (…). Os mestres são modelos, modelos de disponibilidade. Ser ou estar disponível é ter uma vida interior que se organiza em termos de deixar espaço para a sensibilidade e para a sabedoria dos outros. O encontro não é só obra do acaso, é também obra da disponibilidade recíproca daqueles que se encontram. O encontro depende da convicção do que de perene existe nos nossos semelhantes (Santos, 1983, p. 267).

Sei hoje como a incitação inspiradora dos discípulos ao ocupar o espaço de acolhimento que os mestres lhes reservam imprime força mútua e torna cativante o caminho árduo mas entusiástico que esse encontro suscita.

Vem isto a propósito do meu mestre João dos Santos quando decorrem cem anos do seu nascimento. Dizia ele: “os meus mestres encontrei-os na vida e alguns na escola, porque eram meus mestres, são meus amigos” (Santos, 1983, p. 266).

É com a alegria do nosso privilegiado encontro que procuro evocar alguns suportes duradouros que a ele devo, para melhor compreender a vida e o devir do mundo. [Ler artigo completo na Revista do Movimento da Escola Moderna]

* Artigo publicado na Revista do Movimento da Escola Moderna, No1, 6a Série, 2013 
 
 
 
 
 
© 2013 joaodossantos.net. Todos os Direitos Reservados / All Rights Reserved.
 
 
 
 
 
 
 

  • LIVRARIA

     
     


  • Cecília Menano, João dos Santos e Maria Emília Brederode Santos em conversa

    Clique na seguinte ligação para para visualizar este vídeo do Instituto de Tecnologia Educativa – RTP (1975) A Escolinha de Arte de Cecília Menano – com Cecília Menano, João dos Santos e Maria Emília Brederode Santos, que foi muito generosamente disponibilizado pelo Dr Daniel Sasportes (19 minutos). [Clique nesta ligação]

     


  • Programa IFCE no Ar, Radio Universitária

    Entrevista sobre o andamento do curso à distância “Introdução ao Pensamento de João dos Santos”

    Entrevista gravada com a coordenadora do curso “Introdução ao Pensamento de João dos Santos”, Professora Patrícia Holanda da Linha de História da Educação Comparada da UFC (Universidade Federal do Ceará), com o Doutor Luís Grijó dos Santos (filho de João dos Santos), e a coordenadora pedagógica do curso Professora Ana Cláudia Uchôa Araújo da Directoria da Educação à Distancia do IFCE (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará). A entrevista foi realizada pelo jornalista Hugo Bispo do Programa IFCE no Ar em 3 de Novembro de 2016.

    Para ouvir a gravação desta entrevista clique nesta ligação.

     


     

  • © 2013-2019 joaodossantos.net. Todos os Direitos Reservados / All Rights Reserved