Mestre que marcou muitos Mestres

Dr Joao Costa MEDIUMJoão Costa
Psicomotricista
18 de Junho de 2013

Era o ano de 1978 quando ingressei no então Centro de Saúde Mental Infantil de Lisboa, instituição fundada e dirigida por João dos Santos, mais precisamente, na Clínica Infantil (um dos serviços do referido Centro) situada no Hospital psiquiátrico Júlio de Matos, hoje denominado “Parque de Saúde de Lisboa”.

A Clínica Infantil era dirigida pela Dra. Margarida Mendo. Foi ela que me apresentou o Dr. João dos Santos. Recordo-me desse momento, era muito novo, tenho a impressão que se ouviam as pernas tremerem nesse momento, bem como o batimento do coração acelerado. Olhou para mim, sorriu, apertou-me a mão e disse: – Então podemo-nos tratar por tu porque eu também sou Professor de Educação Física. Sorri, acho que pasmei e devo ter proferido alguns vocábulos parecidos com palavras. Claro que não tive a coragem de usar tal tratamento, não tive a ousadia, mas ele tratava-me desse modo e eu sentia um certo orgulho nisso, sentia-me talvez mais próximo, mais familiar.

Nessa época os Professores de Educação Física tinham o hábito de se tratarem por “tu” mesmo que não se conhecessem pessoalmente, penso que seria por sermos poucos, ou por alguma solidariedade pois os professores de Educação Física eram vistos como outros professores, talvez menos importantes que os outros, das ditas disciplinas de estudo.

Comecei a exercer na Clínica Infantil e durante os dois, três primeiros anos “tinha” de assistir aos seminários clínicos que João dos Santos fazia semanalmente em Lisboa; à quarta-feira era numa das equipas do Centro, à terça era no Colégio Eduardo Claparède, à sexta no COOMP (Centro de Observação e Orientação Médico-pedagógico), indicação que Margarida Mendo e João dos Santos deram e eu cumpria com imenso prazer.

Sentia no seu olhar, uma pessoa serena e interessada, que procurava na outra pessoa conhecer mais e com uma tranquilidade límpida, que nos transmitia um sentimento de sossego recíproco.

Há uns anos atrás (1991) pediram-me um artigo sobre João dos Santos. Era uma revista intitulada Cadernos de Infância editada pela Escola Superior de Educação de Lisboa. Intitulei esse artigo “Um Mestre que Marcou muitos Mestres”. A razão pelo que reeditei o mesmo título nestas linhas foi pelo fato de realçar que o seu legado está à vista: a maioria das referências da atualidade foram seus discípulos.

A importância da qualidade da relação – falar sem utilizar termos técnicos

Nas discussões de casos clínicos o que ele se interessava era como o técnico estabelecia e orientava a relação. Por vezes, nas descrições das sessões dizíamos coisas como; “esta criança parece psicótica” ou “está deprimida” e João dos Santos que privilegiava o discurso espontâneo dizia: “O que quer dizer com isso? Explique melhor.”

Precursor da psicomotricidade em Portugal

João dos Santos foi discípulo de Wallon e Margarida Mendo foi aluna de Ajuriaguerra; estes autores foram primordiais e pioneiros na construção da profissão de Psicomotricista. Wallon com o seu contributo mais conhecido, o livro “Do acto ao Pensamento” pode-se ler que “o tónus muscular está intimamente ligado à emoção”, e “o movimento é o primeiro instrumento do psiquismo”; Ajuriaguerra por seu lado, elaborou o exame psicomotor e organizou as síndromes psicomotoras.

A Psicomotricidade em Portugal teve as suas primeiras aventuras pelas mãos de João dos Santos e de Margarida Mendo, foram eles que fizeram os primeiros exames psicomotores.

Na altura quando foi introduzida em Portugal, a psicomotricidade só tinha uma vertente, a da intervenção em saúde mental infantil. Portanto era uma psicomotricidade de âmbito clínico e sobretudo Relacional.

Quem chamou a si a Psicomotricidade foram os Professores de Educação Física e, pelo que se passou a seguir, percebemos que não sabiam nem o conceito nem o objetivo e assim desvirtuaram a Psicomotricidade pensando que ela era um ramo da Educação Física.

Estavam profundamente enganados e ainda hoje há alguns grupos que alimentam esse equívoco e confundem Psicomotricidade com Atividade Motora Adaptada que faz parte das ciências do desporto, mas este equívoco sustenta a ambiguidade.

Não é por acaso que em França, como se sabe foi o berço da psicomotricidade e onde ela é vista predominantemente pelo aspeto clínico, nesta altura estão a falar da psicomotricidade na neurologia, como é que a psicomotricidade pode contribuir para minimizar a dor crónica, com a doença de Parkinson, com a doença de alzheimer, com os cuidados paliativos.

Em França há o pleno emprego para os Psicomotricistas, em Portugal, muitos potenciais empregadores não conhecem o que é a psicomotricidade.

Com João dos Santos aprendi muito, como lidar com o nosso corpo numa relação terapêutica, a respeitar a dignidade da criança, a surpreender positivamente a criança a inventar situações, a usar a criatividade, a apreender o sentido estético na relação, a lidar com o silêncio quer como forma de comunicação, quer como reflexão; na luta contra a omnipotência do terapeuta, a respeitar outras ideias e convicções dos outros. Obviamente que estamos a falar da atitude do terapeuta.

O seu modelo de reuniões clínicas semanais na equipa foi crucial na formação de técnicos. Aqueles que tiveram esse privilégio, hoje são referências como já foi dito. Estamos a falar sobre as reuniões multidisciplinares: de formação, de apresentação de caso clínico, de organização e de síntese. Essas reuniões clínicas foram o eixo da minha formação em saúde mental infantil. O entrecruzamento dos diferentes saberes dos colegas pluriprofissionais, expondo a suas ideias, numa posição de parceria e de partilha com o sentimento de que estamos todos na mesma plataforma, dava a cada um de nós, um significado especial de responsabilidade e um enriquecimento extraordinário.

A sua generosidade não tinha limites

Um dia João dos Santos foi assistir a uma comunicação minha no ISEF (Instituto Superior de Educação Física), atual Faculdade de Motricidade Humana. Entre outras coisas que disse, revelei uma grande descoberta que tinha concluído, seria qualquer coisa parecida com “ para observar uma criança é preciso antes do mais o observador deixar-se observar pela criança porque senão, a criança sente-se observada e em consequência a observação será enviesada. À medida que se relacionam o observador e a criança, vão revelando as suas competências e as suas dificuldades.”

No dia seguinte era a sua vez de conferenciar, tratava-se da conferência magistral e no seu discurso, ele referencia-me dando importância às minhas ideias sobre a observação. Mais tarde vim a ler coisas escritas por ele e apercebi-me de que ele já tinha dito aquelas coisas talvez uns vinte anos antes. Era de uma humildade gigantesca e de uma generosidade ímpar.

Sedimentámos uma relação de amizade profícua que ultrapassou a relação de Diretor para funcionário.

Partilhávamos alguns interesses designadamente o gosto pelo cinema. Durante anos fui coorganizador de um festival de cinema cuja temática especializada era a infância e juventude na cidade de Tomar. João dos Santos foi um convidado de honra habitual, participou em todos os festivais realizados, algumas vezes fazia-se acompanhar com os seus netos. Colaborava com a participação em conferências e conversas que chamavam muitas pessoas para o ver e ouvir. Era um excelente contador de histórias, ficávamos presos com elas, faziam-se muitas vezes silêncios, eram silêncios pensantes porque ficávamos a pensar nas nossas coisas.

Como sabemos foi-lhe atribuído o grau de Doutor “Honoris Causa” pela Faculdade de Motricidade Humana; no dia seguinte podia-se ler no jornal “Diário de Noticias” que João Costa tinha sido galardoado com a referida distinção, aquele lapso valeu uma série de comédias e trocadilhos entre nós.

Para terminar este apontamento devo dizer que não sinto saudades nenhumas daqueles tempos; expressões como “aqueles tempos é que eram bons”, como alguns dizem, não concordo. Considero que os bons tempos são sempre os do presente, embora o que estamos a atravessar atualmente não seja nada digno, mas isso é outro assunto. Guardo sim boas memórias e as que melhor recordo são o prazer com que fazíamos as coisas. Sentíamos que João dos Santos tinha imenso prazer nos projetos em que se metia, e contaminava-nos com o seu entusiasmo.

Lisboa 18 de junho de 2013

João Costa

 
 
 
© 2013 joaodossantos.net. Todos os Direitos Reservados / All Rights Reserved.
 
 
 
 
 
 
 
  • Coloque aqui os seus dados para inclusão na lista de divulgação ou para receber outras informações

     
  • Finalista do Prémio Jabuti 2017

     

     

    O livro Histórias de pedagogia, ciência e religião: discursos e correntes de cá e do além-mar, da coleção História da Educação, editado pelas Edições UFC, é um dos finalistas do Prémio Jabuti 2017.

    Entre outros, este livro contém trabalhos do Professor Doutor Jorge Ramos do Ó, “Para uma Genealogia do Currículo: Ordem e Método na Edificação do Modelo Escolar Moderno” [p 21-50], e da Professora Doutora Patrícia Helena Carvalho Holanda, “João dos Santos: a Psicologia, a Psicanálise e a Pedagogia” [p 71-90].

    Organizada por Maria Juraci Maia Cavalcante, Patrícia Helena Carvalho Holanda, Francisca Geny Lustosa e Roberto Barros Dias, a obra traz recortes temáticos e marcos importantes para o estudo da educação brasileira através da análise de discursos e práticas pedagógicas intercontinentais no contexto contemporâneo.

    Uma realização da Câmara Brasileira do Livro (CBL), o Prêmio Jabuti está em sua 59ª edição. Atualmente é a maior premiação do livro no País e conta com 29 categorias. O finalista das Edições UFC concorre na categoria “Educação e Pedagogia”.

    Para mais informações siga a seguinte ligação http://www.ufc.br/noticias/noticias-de-2017/10325-livro-editado-pela-edicoes-ufc-e-finalista-do-premio-jabuti-2017.
     
     

     

     
     
  • Proposta de Lei n.º 34 / XIII – Definição de ATO MÉDICO

    O XXI Governo Constitucional, no seu programa para a saúde, estabelece como prioridades aperfeiçoar a gestão dos recursos humanos e a motivação dos profissionais de saúde, apostando em novos modelos de cooperação entre profissionais de saúde, no que respeita à repartição de competências e responsabilidades e melhorar a qualidade dos cuidados de saúde, apostando em modelos de governação da saúde baseados na melhoria contínua da qualidade de garantia da segurança do doente… (Siga esta LIGAÇÃO para aceder ao documento de Proposta de Lei n.º 34/XIII.).

    Existe actualmente uma proposta de diálogo relativo à formulação do Artigo 5 desta proposta de lei, em que se define o ATO MÉDICO.

     
     
     

     
     
  • Cecília Menano, João dos Santos e Maria Emília Brederode Santos em conversa

    Clique na seguinte ligação para para visualizar este vídeo do Instituto de Tecnologia Educativa – RTP (1975) A Escolinha de Arte de Cecília Menano – com Cecília Menano, João dos Santos e Maria Emília Brederode Santos, que foi muito generosamente disponibilizado pelo Dr Daniel Sasportes (19 minutos). [Clique nesta ligação]

     


  • Programa IFCE no Ar, Radio Universitária

    Entrevista sobre o andamento do curso à distância “Introdução ao Pensamento de João dos Santos”

    Entrevista gravada com a coordenadora do curso “Introdução ao Pensamento de João dos Santos”, Professora Patrícia Holanda da Linha de História da Educação Comparada da UFC (Universidade Federal do Ceará), com o Doutor Luís Grijó dos Santos (filho de João dos Santos), e a coordenadora pedagógica do curso Professora Ana Cláudia Uchôa Araújo da Directoria da Educação à Distancia do IFCE (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará). A entrevista foi realizada pelo jornalista Hugo Bispo do Programa IFCE no Ar em 3 de Novembro de 2016.

    Para ouvir a gravação desta entrevista clique nesta ligação.

     


     

  • “Histórias de mulheres” é finalista da 58º edição do Prêmio Jabuti

     

    O livro "Histórias de mulheres: amor, violência e educação", organizado por Maria Juraci Maia Cavalcante, Patrícia Helena Carvalho Holanda e Zuleide Fernandes de Queiroz, é finalista na categoria "Educação e Pedagogia" da 58ª edição do Prêmio Jabuti, da Câmara Brasileira do Livro, considerado o mais importante prêmio do livro brasileiro.

    A obra, lançada em 2015 pelas Edições UFC, conta, entre outros, com artigos da Professora Patrícia Helena Carvalho Holanda e do Professor Pedro Parrot Morato “A Mulher e a Família à Luz do Referencial Santiano na Perspectiva Comparada Brasil-Portugal”, e da Dra Clara Castilho “A Mãe e a Escola como Promotores de Inclusão Social das Crianças com Necessidades Especiais na Abordagem de João dos Santos”.

    Maria Juraci Maia Cavalcante e Patrícia Helena Carvalho Holanda são professoras da Faculdade de Educação da UFC. A obra pode ser adquirida na Livraria da Universidade Federal do Ceará (área 1 do Centro de Humanidades – Av. da Universidade, 2683, Benfica).

    Para mais informações clique nesta ligação.

     


     

  • © 2013-2017 joaodossantos.net. Todos os Direitos Reservados / All Rights Reserved